Novidades

Reprodução

Mulher é libertada em MG após 38 anos vivendo em condições análogas à escravidão

Uma investigação do Ministério Público do Trabalho revelou a história de Madalena, uma doméstica de 46 anos, explorada por uma família de Minas Gerais desde os 8 anos.

Ela não recebia salário, não tinha direitos, e vivia reclusa, sob a vigilância dos patrões até o fim de novembro, quando foi libertada por auditores fiscais do trabalho e pela Polícia Federal de um apartamento no centro de Patos de Minas.

Os passos ainda são um pouco hesitantes. Com cuidado, agora ela vai conhecendo novas paisagens e experiências que são cotidianas pra muitos de nós, mas inéditas pra ela – como andar em um parque, livre. Madalena Gordiano passou os últimos 38 anos sem poder comandar a própria vida.

O professor Dalton César Milagres Rigueira foi o acusado de manter a mulher em regime análogo à escravidão. O reitor do Centro Universitário de Patos de Minas, Milton Roberto de Castro Teixeira e o presidente da FEPAM, Paulo Vinícius Piva Hartmann, concederam entrevista na manhã desta segunda-feira (21) e comunicaram o afastamento do professor.

A direção da instituição reforçou que não tinha conhecimento do caso e que não compactua de forma nenhuma com esse tipo de situação.

Veja íntegra da nota do Unipam:

Nós da FEPAM e do UNIPAM tomamos conhecimento de uma notícia, envolvendo caso análogo à escravidão, envolvendo um docente da instituição somente ontem, pela mídia, e informamos a todos que não comungamos com os atos ali relatados.

A FEPAM e o UNIPAM sempre irão prezar em cumprir a sua missão, que é transformar pessoas e sociedade por meio da excelência na educação. Tranquilizamos a todos: corpo discente, docentes e funcionários, bem como à comunidade em geral, de que todas as medidas cabíveis e legais já estão sendo tomadas. Ademais, informamos que o referido docente já se encontra afastado de suas atividades na instituição.

Fonte: G1 e Patos Hoje

Compartilhe com seus amigos